Técnica inovadora utilizada na Frente Ribeirinha de Lagos
A Cutter Soil Mixing é uma tecnologia pioneira ao nível da perfuração de solos, sendo apresentada como mais económica e amiga do ambiente.


2009.05.20

A Geo-Rumo, empresa de tecnologias de fundações, acaba de introduzir na Península Ibérica uma técnica inovadora ao nível da perfuração de solos, intitulada Cutter Soil Mixing (CSM). Inexistente até à data na Península Ibérica, a estreia aconteceu em Lagos, na obra do Parque de Estacionamento da Frente Ribeirinha. O CSM é uma inovação em soil mixing para consolidação e criação de contenções periféricas e cortinas de impermeabilização abaixo do solo.

Paulo Araújo, administrador da Geo-Rumo (empresa do Grupo FDO) afirma que se “trata de uma tecnologia de vital importância no futuro, uma vez que, aproveitando o solo existente in situ como material de construção, contribui para um grande passo na geotecnia em termos ambientais e na prestação do sector para o desenvolvimento sustentável”. O responsável destaca ainda que o CSM “é uma excelente opção técnica enquanto obra de engenharia, económica e amiga do ambiente”.

Relembre-se que na cidade de Lagos está em curso um processo de renovação urbana que passa por requalificar a Frente Ribeirinha e criar dois novos parques de estacionamento subterrâneos. O futuro parque da Frente Ribeirinha está integrado no objectivo estratégico de reformulação do sistema viário da Avenida dos Descobrimentos na qual se privilegiará o uso pedonal, com aumento significativo da área para este fim, sem inviabilizar totalmente o acesso automóvel. Visa-se, deste modo, uma melhoria das acessibilidades e da mobilidade no centro histórico e melhores condições para aceder aos espaços comerciais situados no seu casco. Com uma área bruta de construção próxima dos 12 800 metros quadrados, o edifício subterrâneo comportará 480 lugares de aparcamento automóvel.