Maior campanha nacional de recolha de fundos já está on-line
José Ramos Horta, Maria Barroso, D. Ximenes Belo e Mari Alkatiri são os embaixadores do projeto de apoio a obras sociais em quatro continentes.


2012.12.13

Acaba de ser lançada a maior campanha global de recolha de fundos on-line alguma vez realizada a partir de Portugal. Promovida pela Fundação Lusitânia para o Desenvolvimento Universitário e Empresarial, a iniciativa pretende angariar verbas para aplicação em ações de solidariedade social e económica. Com impacto a nível internacional, a campanha conta com o apoio de José Ramos Horta e D. Ximenes Belo, personalidades que já receberam o Prémio Nobel da Paz, da ex-primeira dama Maria Barroso e de Mari Alkatiri, ex-primeiro ministro de Timor-leste. Os donativos podem ser, desde já, efetuados no site www.fundacao-lusitania.com/, através de diversos banners disseminados pela Internet e pelo número de telefone 760 109 110.

O Centro de Cidadania Social e Global da Fundação Gonçalo Silveira, a Obra Diocesana de Promoção Social e a Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental são algumas das cerca de uma dezena de obras nacionais – que envolvem mais de 10 mil pessoas – que vão receber o apoio da Fundação Lusitânia. A nível internacional, a Fundação Lusitânia vai auxiliar 12 outros projetos da América Central e do Sul até África e Sudeste Asiático. Um refeitório infantil no Peru, intervenções pós-guerra na Costa do Marfim e em Angola, ajuda humanitária no Haiti e construção de escolas em Timor-Leste são alguns dos projetos internacionais contemplados pela instituição.

Ação solidária a nível nacional e internacional
A Fundação Lusitânia estabelece dois grandes vetores de atuação. O primeiro consiste na ação social direta e urgente, que compreende várias ações em Portugal, e noutros países, integrando Portugal na rede social internacional. O segundo vetor consiste na ação social estratégica, que passa pelo investimento em áreas vitais para a sustentabilidade económica e social, como a agricultura e a energia. A Fundação dá prioridade às obras que, quer geograficamente quer pelas características da ação específica, possam, a longo prazo, retribuir a ajuda. O objetivo é que quem recebe agora seja, mais tarde, um apoiante.

Presidida por Rogério J. de Matos e Guimarães, a Fundação Lusitânia conta ainda, nos quadros, com nomes como o ex-reitor da Universidade Católica do Porto, Francisco Carvalho Guerra, e António Barbedo de Magalhães, Professor Catedrático da Universidade do Porto. Barbedo de Magalhães foi um dos organizadores do Lusitânia Expresso, ferry-boat que, há 20 anos, partiu de Portugal para Timor-leste com o objetivo de sensibilizar a opinião pública internacional, na sequência do massacre no cemitério de Santa Cruz. A Fundação retoma, então, o nome do navio que, na altura, representou um marco na atitude internacional em relação à causa timorense.

A Fundação Lusitânia para o Desenvolvimento Universitário e Empresarial é uma instituição de direito canónico, por decreto de D. Jorge Ortiga, tendo personalidade canónica e civil, como confirmado pelo Governo Civil de Braga em 23 de março de 2009. Instituição de solidariedade social sem fins lucrativos, a Fundação tem por missão juntar os ativos humanos universitários e empresariais aos ativos económicos, de forma a obter soluções integradas e sustentadas de combate à pobreza e à exclusão social. A Fundação emana da Congregação do Santíssimo Redentor - instituição com 275 anos, conhecida pelo apoio aos pobres e necessitados no mundo inteiro -, representada em 77 países, com mais de 5.500 membros espalhados pelo mundo.