Jorge Louraço Figueira evoca peça de Beckett no Teatro Carlos Alberto
Espetáculo é uma homenagem a Francisco Ribeiro, mais conhecido como Ribeirinho, ator de filmes como O Pai Tirano ou o Pátio das Cantigas.


2019.01.03

Inspirando-se e evocando a peça de Samuel Beckett À Espera de Godot, Jorge Louraço Figueira apresenta no Teatro Carlos Alberto (TeCA), entre os dias 9 e 13 de janeiro, o espetáculo À Espera de Beckett ou Quaquaquaqua. Tendo-se estreado em novembro de 2017, a peça cruza lembranças de personagens de teatro com factos históricos, fazendo uma homenagem especial a Francisco Ribeiro, conhecido como Ribeirinho, o ator de filmes como O Pai Tirano ou O Pátio das Cantigas.

O ano de 1959 destaca-se como o mote para o espetáculo, data em que Ribeirinho encenou pela primeira vez o clássico de Beckett – peça que, assinalando agora 60 anos desde essa estreia, foi também apresentada no Porto, precisamente no Teatro Nacional São João. Pelo meio sublinha-se também um importante “acidente” biográfico real: a presença do dramaturgo franco-irlandês em Portugal, quando este se refugiou no Hotel Cidadela, em Cascais, e que Jorge Louraço Figueira desvia para a ficção, tornando-o numa figura de À Espera de Beckett ou Quaquaquaqua. A peça culmina no ano de 1973, altura em que Francisco Ribeiro fez chegar o seu espetáculo a Angola, apresentando-o a colonos e militares.

Responsável pelo texto e encenação, Jorge Louraço Figueira afirma que o espetáculo “é uma reflexão sobre a vontade de não fazer nada e sobre o dilema entre desistir e perseverar”. À Espera de Beckett ou Quaquaquaqua pode ser visto de quarta a sexta-feira, às 21h00; ao sábado, às 19h00; e ao domingo, às 16h00. A récita do dia 12 de janeiro “dá” Carta-Branca a crianças com idade superior a quatro anos, com um espaço de oficinas e babysitting cuja inscrição é de 2,50 euros. O preço dos bilhetes para o espetáculo é de 10 euros.