Grupo Libertas avança com requalificação de edifício histórico
Projecto apresenta um conceito inovador, permitindo uma multiplicidade de soluções para comercialização. Investimento supera os 5M€.


2010.07.29

O Grupo Libertas está a avançar com a requalificação de um edifício situado no primeiro troço da Avenida da Liberdade, correspondente ao espaço do antigo passeio público (1760/1879). Apelidado de Liberdade 67A, o projecto apresenta um conceito inovador no que toca à sua futura utilização e resulta de um investimento de mais de cinco milhões de euros por parte do Grupo Libertas.

A frente de quarteirão em que o Liberdade 67A está inserido é composta por três edifícios, sendo todos de construção anterior à abertura da Avenida da Liberdade, inaugurada em 1886. Com seis pisos, sendo o último de cobertura, o Liberdade 67A é o edifício mais alto do quarteirão, após a ampliação que sofreu em 1890. O projecto resulta de uma operação de recuperação que salvaguardou elementos especialmente relevantes do edifício, como a volumetria, a morfologia da cobertura e a composição da fachada, entre outros aspectos.

Liberdade de utilização actual e futura
O edifício, que se destina a comércio e/ou serviços, garante total liberdade de utilização, já que pode ser configurado de múltiplas formas, quer no momento da sua conclusão quer ao longo dos anos, com intervenções mínimas. As áreas dos diferentes pisos rondam os 200m2 com total aproveitamento, dado que não existem pilares a condicionar o espaço. Além deste aspecto, o elevado pé-direito – 4,90 metros no R/C, 3,75 metros no primeiro andar e 3,10 metros nos pisos mais baixos – permite a utilização integral para comércio, no caso de uma flagship store de uma marca sonante, ou a criação de escritórios com um pé-direito fora do comum.

Todos os pisos superiores têm pavimento técnico, bem como ar condicionado organizado por piso, para uma melhor gestão dos consumos. O edifício permite ainda a instalação de cozinhas em qualquer piso. No que diz respeito à eficiência energética, a grande espessura das paredes em alvenaria de pedra, aliada à qualidade das caixilharias e dos vidros, é a garantia de um isolamento classe A, assim como de um óptimo isolamento sonoro. O projecto foi concebido de forma a garantir a acessibilidade plena, possibilitando a criação de lugares de estacionamento. A conclusão da obra está prevista para o final do primeiro semestre de 2011, devendo a comercialização do edifício iniciar em Setembro.

Revitalização da Avenida da Liberdade
O Liberdade 67A vem beneficiar o plano de revitalização da Avenida da Liberdade, uma zona repleta de história e um pólo centralizador de comércio e de serviços. A Avenida da Liberdade conta com algumas das mais prestigiadas marcas de luxo internacionais, estando a captar novas insígnias, como é o caso recente da Prada. Além do retalho, também diversas sociedades de advogados e consultoras de renome têm vindo a seleccionar a Avenida da Liberdade para implantação de negócio, estando a gerar-se um fluxo bastante interessante de empresas.

A zona tem acolhido ainda novos projectos de hotelaria, como é o caso do Hotel Lanidor, ainda em construção. O Plano de Desenvolvimento da Avenida da Liberdade e Zona Envolvente (PUALZE), aprovado em 2009 pela Câmara Municipal de Lisboa, tem como objectivo aumentar a população residente naquela zona da capital e recuperar algumas das infra-estruturas sonantes. É o caso do Parque Mayer, e dos seus diferentes espaços, nomeadamente o Teatro Capitólio. O Plano pretende revigorar uma das mais conceituadas artérias da capital, recuperando edifícios repletos de história e devolvendo aos lisboetas uma avenida elegante e cosmopolita.