“Grão Torrado” desenvolve conceito de comida social
Criadas por chef profissional, refeições destacam-se pelo facto de poderem ser partilhadas, o que torna as propostas mais acessíveis.


2012.02.22

“Grão Torrado” – projecto que aposta na transformação global de estabelecimentos ligados à área da restauração – acaba de desenvolver o conceito de comida social. Este modelo assume-se como um ponto diferenciador ao apostar na criação de menus que integram propostas que podem ser partilhadas. Assim, qualquer família ou grupo de amigos que decida fazer uma refeição num dos estabelecimentos da cadeia “Grão Torrado” tem a possibilidade de usufruir de uma refeição diversificada, a preços competitivos.

Criados pelo chef Álvaro Costa, os menus disponibilizam ofertas inovadoras, pensadas para todo o tipo de consumidor, que vão desde as tostas míticas até às saladas. O conceito de comida social é, ainda, transversal a todas as propostas, nomeadamente pequenos-almoços, lanches ou refeições mais elaboradas. A aposta em menus partilháveis, além de uma óptima solução tendo em conta o actual contexto económico, fomenta igualmente a confraternização e o convívio. Neste caso, é importante salientar que o conceito de partilha é uma das características que a “Grão Torrado” pretende enraizar em todos os estabelecimentos, assumindo os espaços de lazer um papel importante na dinamização deste modelo.

Novidades visam aumento de 20 por cento das vendas
Além de vantajosa para o consumidor, a comida social assume-se como um factor atractivo para os aderentes da cadeia “Grão Torrado”. A par da imagem renovada a nível interior e exterior e de uma melhoria efectiva na forma de sugerir, apresentar, servir e atender, a mais recente dinâmica de refeição visa captar novos clientes. Aliás, todas as novidades pretendem contribuir para o aumento da facturação de cada estabelecimento. Refira-se que o grande objectivo da marca é, em apenas seis meses, aumentar em 20 por cento as vendas de cada espaço.

“Grão Torrado” é um novo conceito de negócio que pretende dinamizar e revitalizar o modelo clássico de café português. O projecto aposta numa transformação global dos estabelecimentos ligados à área da restauração, possibilitando uma imagem renovada a nível interior e exterior e uma melhoria na forma de vender, sugerir, apresentar, servir e atender. Renovar 50 cafés até final de 2012 e 300 até ao final de 2014 é o grande objectivo da marca que tem parceria com a Faculdade de Ciências da Universidade do Porto e com o Turismo de Portugal.