Edifício Transparente abre as portas ao público
O Edifício pretende diversificar a oferta de lazer da cidade do Porto. As lojas estão comercializadas na sua totalidade.


2007.06.15

O dia de hoje assinala a tão aguardada abertura do Edifício Transparente, espaço que pretende afirmar-se como referência no que toca à oferta de lazer da cidade do Porto. O objectivo é o de devolver o Edifício à cidade e aos seus habitantes, conjugando a versatilidade com a localização, perto da Foz e do Parque da Cidade. A inauguração oficial decorrerá em breve, em data a revelar oportunamente. Todas as lojas do Edifício Transparente estão comercializadas, sendo que as que estão nos trabalhos finais têm a respectiva sinalização, através de vinis, que permite identificar quais as marcas que ali abrirão até meados do próximo mês de Julho. A aposta na diversidade reflecte-se nas mais diversas áreas do Transparente, que englobam vertentes como restauração, lazer, cultura e comércio. Cañas e Tapas, Farggi, Sushimoto, Grill Place, Lightning Bolt, Surf Center e Slidesport, entre outras insígnias, estão já em pleno funcionamento. Variedade de culturas A partir de hoje, os visitantes do Edifício Transparente podem contar com uma vasta oferta de espaços gastronómicos que conjugam as várias cozinhas do mundo – japonesa, italiana, espanhola e portuguesa – apostando, desta forma, na multiplicidade cosmopolita de sabores e aromas num só local. Os espaços do piso da praia possuem, ainda, esplanadas sobre a Praia de S. Salvador, que garantem uma vista privilegiada para as marginais da Foz e de Matosinhos. A diversão nocturna é assegurada com a discoteca SHU. Outro dos destaques vai para o último andar (piso Parque), que detém três restaurantes panorâmicos, sendo um deles o Cufra Grill, cervejaria sobejamente conhecida no Porto que reforça o conceito com a abertura no Edifício Transparente. A oferta de comércio, situada no piso da rua, dá um enfoque especial às lojas de surf de marcas de renome como a Lightning Bolt. A moda jovem e urbana é complementada com outras valências, designadamente em termos de marcas de material desportivo e acessórios, numa área que integra, ainda, uma loja de decoração e uma área de fitness e beleza. Além dos aspectos evidenciados, o Edifício Transparente concretiza a aposta cultural através do piso Box in The Box. O local possui um conceito inovador em Portugal no qual os mais conceituados livreiros vão estar dispostos num open space e em que cada um vai ocupar um corner específico. Três exposições no arranque O Edifício Transparente promove, durante o mês de Junho e meados do mês de Julho, três exposições no Arte ET – outra das áreas dedicadas à cultura. Ao longo do ano serão apresentadas, no local, exposições de arte contemporânea e instalações de arte contemporânea. Ali encontra-se, ainda, uma sala para eventos, com cerca de 480 metros quadrados, ideal para iniciativas institucionais e empresariais. Hoje, às 20h00, fica patente o projecto “Transparências”, da autoria de Carlos Caires. O trabalho, que decorre de uma investigação da Universidade Católica, centra-se no cinema interactivo. A narrativa da curta-metragem, filmada no Edifício Transparente, possui um dispositivo através do qual é o público a decidir qual o percurso da história. Entretanto, ficará patente no Arte ET uma exposição subordinada ao tema “Mulher”, com pinturas de Ricardo Nicolau de Almeida, e uma instalação do Arquitecto Pedro Jervell. Durante o mês de Junho será ainda inaugurada uma mostra alusiva à “História do Surf”, com exibição de 24 painéis sobre a evolução da modalidade no mundo e em Portugal. Da exposição fazem parte pranchas emblemáticas que marcaram o percurso de alguns atletas profissionais. 1,5 milhões de visitantes previstos Desenhado pelo arquitecto Manuel Solà-Morales, o Edifício Transparente foi reconvertido pela mão do arquitecto português Carlos Prata, que projectou as infra-estruturas necessárias para os 23 espaços de restauração, lazer e entretenimento, num investimento global de 15 milhões de euros. O edifício tem uma área total de cerca de 4.000 metros quadrados, divididos, no interior, de forma funcional, por betão, vidro, madeiras e estruturas metálicas. Importa registar que o Edifício Transparente é servido por dois parques de estacionamento de grande dimensões: o Parque do Castelo do Queijo e o Parque de Estacionamento de Matosinhos. Para o primeiro ano de actividade são esperados 1,5 milhões de visitantes, numa obra que gerará 500 novos postos de trabalho directos, concessionada à empresa Hottrade SA. A gestão e comercialização do Edifício Transparente é da responsabilidade da Guedes Pinto – Donaldsons Portugal. Lojas por pisos: Piso Praia - Picaba (cozinha mediterrânica) - Sushimoto (japonês) - Cañas & Tapas (espanhol) - Degogo (steak house) - Porto Pausa (snack de autor) - Quatro Estações (pizzaria) - Farggi (gelataria) - Discoteca SHU Piso Rua - Ligthning Bolt (surf shop) - Dreams (acessórios e gifts) - Slide Sport (surf shop) - Surf Center (material e vestuário de surf) - Bike Zone (bicicletas e acessórios) - Sweet House (confeitaria e venda de doces) - In Side Out (decoração) - Área de fitness e beleza Box in The Box - Livraria - Arte ET - sala de eventos Piso 2 (com entrada directa pelo Parque da Cidade) - The Grill Place (grelhados) - Real Indiana, que inclui o Insence Bar (cozinha indiana e bar oriental) - Cufra Grill (restaurante-cervejaria)