Antevisão de espectáculo de Ricardo Pais recebida com euforia na Rússia
Encenador irá ombrear, em Julho de 2013, com nomes como Emmanuel Demarcy-Mota, Bill Т. Jones, William Forsythe, Mats Ek ou Robert Lepage.


2012.11.05

Pela primeira vez, um espectáculo português integra a selecção do Festival Internacional de Teatro Tchékhov, na Rússia, considerado um dos mais importantes festivais de teatro do mundo. “Sombras – a nossa tristeza é uma imensa alegria”, criada e encenada por Ricardo Pais, chega aos palcos russos em 2013, no âmbito da 11ª edição do festival, onde ombreia com nomes como Bill Т. Jones, Emmanuel Demarcy-Mota, William Forsythe, Mats Ek, Robert Lepage, entre outros. Produzida pelo Teatro Nacional São João (TNSJ), a obra estará em cena no Teatro Mossovet, em Moscovo, entre 4 e 6 de Julho.

O espectáculo foi apresentado oficialmente na semana passada em conferência de imprensa em Moscovo, tendo sido recebido entusiástica e ruidosamente por mais de uma centena de jornalistas, a quem foram apresentados textos e músicas do espectáculo, interpretados por Raquel Tavares, acompanhada por Miguel Amaral (guitarra) e por Paulo Faria de Carvalho (viola). Moscovo marca um novo momento da digressão mundial de “Sombras” – iniciada em 2011, em Paris, onde esgotou, por dois dias, a lotação do Théâtre de la Ville. Já em Janeiro deste ano, a peça de Ricardo Pais esteve 10 dias em cena nas cidades brasileiras de São Paulo e Santos. Ainda antes da apresentação em território russo, onde Ricardo Pais mostra o seu trabalho pela primeira vez, o público português tem uma nova oportunidade para rever a peça, que estará em cena no TNSJ, no próximo mês de Janeiro.

“Sombras” é um espectáculo multidisciplinar sobre os mitos portugueses, que cruza a fala, o canto, a dança e o vídeo. A obra recorda “A Castro”, de António Ferreira e “Frei Luís de Sousa”, de Almeida Garrett, e a poesia de Pedro Homem de Mello, Fernando Pessoa e António Botto, entre outros. Os fadistas Raquel Tavares e José Barreto, os actores Emília Silvestre, Pedro Almendra e Pedro Frias e os bailarinos Carla Ribeiro, Mário Franco e Romulus Neagu sobem ao palco naquele que é considerado um dos espectáculos mais complexos de Ricardo Pais, que conta ainda com a música de Mário Laginha, vídeos de Fábio Iaquone e Luca Attilli e a coregrafia de Paulo Ribeiro.