ANRET contribui para o futuro do turismo em Portugal
Evento bienal, que vai já na 6ª edição, decorre nos próximos dias 6 e 7 de Abril, em Chaves, sob o tema “Turismo: Olhar o Futuro”.


2006.03.16

A nova direcção da Associação Nacional das Regiões de Turismo (ANRET) acaba de apresentar, em Lisboa, o programa do 6º Congresso Nacional das Regiões de Turismo, este ano organizado sob o tema “Turismo: Olhar o Futuro”. O evento tem lugar, pela primeira vez, em Chaves, na Região de Turismo do Alto Tâmega e Barroso, entre os próximos dias 6 e 7 de Abril (quinta e sexta-feira). Miguel Sousinha, o novo presidente da ANRET – tomou posse no passado mês de Fevereiro – foi o anfitrião do encontro que visou apresentar temas e oradores daquele que é o maior e mais importante evento da ANRET. O Congresso Nacional das Regiões de Turismo pretende pautar a discussão em torno do turismo e do papel das regiões de turismo e das autarquias. As grandes temáticas do evento serão o “mercado interno”, as “novas tendências” do turismo, o papel das autarquias e a importância do planeamento na tomada de decisão. A sessão de abertura do congresso contará com a presença do Secretário de Estado do Turismo e terá intervenções na discussão de Orlando Carrasco e Frederico Costa, do Instituto de Turismo de Portugal, Jorge Umbelino, do INFTUR, dos consultores internacionais Eulógio Borgas e Gavin Eccles, para além de altas individualidades ligadas ao sector, bem como a representação autárquica de José Apolinário, Carlos Sousa e João Soares, entre outros. Um congresso pelo turismo nacional A escolha do mercado interno como tema de arranque do congresso não surge por acaso. O mercado nacional reveste-se de grande valor acrescentado para as regiões e para o qual se pretende uma nova visão estratégica, baseada no saber e experiência. O desafio passa por criar novos e inovadores modelos de promoção, capazes de segmentar e diferenciar a oferta nacional e o de levar para a discussão o conceito do mercado interno alargado: Portugal / Espanha. A questão das novas tendências em turismo – numa altura em que os consumidores estão cada vez mais informados – é urgente, visando uma reflexão sobre novas formas de actuar e surpreender, num alinhamento internacional ao nível das grandes tendências, quer do transporte aéreo quer ao nível de segmentação de mercados e produtos. A discussão encerra com a urgência de planear. Turismo e Ambiente têm que caminhar lado a lado, por um desenvolvimento verdadeiramente sustentável, que importa reforçar. Esse progresso passa, ainda, por um desenvolvimento ordenado do território e por uma correcta qualificação dos recursos. Trata-se de um contributo que envolve também os vários agentes do turismo nacional. Numa altura em que as Regiões de Turismo são referidas como um dos alvos da reforma da Administração Central, a ANRET reforça a importância do papel da “regiões” e a sua autonomia administrativa e financeira. Uma questão que marcará o arranque desta nova direcção, centrada na contratualização da promoção turística externa e nos interesses regionais como forma de melhorar o turismo nacional. A ANRET foi constituída em Maio de 1998, assumindo-se como elemento coordenador e de representação dos seus associados junto da Administração Central. Presidida por Miguel Sousinha, a ANRET tem como associados regiões de turismo, câmaras municipais e juntas de turismo nacionais.